“O MURO”

“O Muro” é uma instalação interativa idealizada pela equipe do projeto “Eu sou” a partir de fotos realizadas por 80 crianças e adolescentes moradores do Jacarezinho, favela localizada no subúrbio do Rio de Janeiro.

Esse projeto é resultante da revisão de uma estética até então aprisionada por critérios de beleza e qualidade sempre distantes desses jovens. Na verdade, são critérios localizados do outro lado do “muro social” que divide a cidade.

Nosso objetivo com a apresentação desse trabalho vai além da confirmação dos fortes resultados trazidos pela arte-educação para a sociedade.

“O Muro” pretende fundir o olhar do espectador ao olhar da criança e, no mínimo, dar oportunidade a qualquer contemplador de enxergar através dos olhos de quem mora numa comunidade.

A prática de novos olhares promove a ampliação de opiniões, reduz preconceitos, aceita a diversidade; “muros” podem mesmo ser desconstruídos, para que se promova o livre intercâmbio entre culturas.

Páginas

terça-feira, 21 de agosto de 2012

A equipe do projeto,

Helio Rodrigues, Fabiana Geraldi, Juliana Rangel, Liana Martins, Andréa Bacellar, Andréa Spiegel, Luciana da Silveira, Thiago Gomes, Selma Portugal, Zane Garnier, Lucas, Marcos, Rodrigo e Vanderson,

Convida para exposição itinerante da instalação "O MURO"

Dia 10 a 14/09/2012
Dentro do Laboratório Farmoquímica, patrocinador do projeto EU SOU. - RJ


Dia 19/09/2012

Favela do Jacarezinho - Largo do Estuba - RJ


De 24 a 09/09/2012
Museu da República - RJ

De 20 a 27/10/2012
Biblioteca de Manguinhos - RJ

De 11 a 27/01/2013
EAV - Parque Lage - RJ

Dia
Casa da Guia - Cascais - Portugal



Projeto "EU SOU"


Projeto idealizado e coordenado pelo escultor e arte-educador Helio Rodrigues desde 2003 no Rio de janeiro, Brasil. Criado para atuar em comunidades carentes e atender principalmente à crianças e adolescentes com dificuldades de auto-aceitação e auto-reconhecimento. Essas são características que em geral resultam em resistência ao ensino formal e distúrbios de comportamento; sintomas que levam alguns a se identificarem com a marginalidade.

Um programa de atividades criativas, fundamentado nos recursos oferecidos pelas artes plásticas, foi criado com a intenção de facilitar o encontro dessas crianças com elas mesmas e consequentemente se constituírem como indivíduos identificados, capazes de pensar o presente e o futuro, e assim promoverem suas verdadeiras escolhas na vida.

Foi a partir do projeto que, entre as inúmeras questões sociais, constatamos como é restrito o cotidiano desses jovens cerceados culturalmente pelos limites da comunidade onde vivem.
.
Como através da arte sabemos que se amplia e se renova constantemente o olhar, foi também ela que instigou as reflexões e mudanças, não só no olhar  como também na vida desses jovens. Essa revisão trouxe uma importante valorização nos seus espaços de vida e origem.


O MURO

 “O Muro” é uma instalação interativa idealizada pela equipe do projeto “Eu sou” a partir de fotos realizadas por 80 crianças e adolescentes moradores do Jacarezinho, favela localizada no subúrbio do Rio de Janeiro.
Esse projeto é resultante da revisão de uma estética até então aprisionada por critérios de beleza e qualidade sempre distantes desses jovens. Na verdade, são critérios localizados do outro lado do “muro social” que divide a cidade.

Nosso objetivo com a apresentação desse trabalho vai além da confirmação dos fortes resultados trazidos pela arte-educação para a sociedade.
“O Muro” pretende fundir o olhar do espectador ao olhar da criança e, no mínimo, dar oportunidade a qualquer contemplador de enxergar através dos olhos de quem mora numa comunidade.

A prática de novos olhares promove a ampliação de opiniões, reduz preconceitos, aceita a diversidade; “muros” podem mesmo ser desconstruídos, para que se promova o livre intercâmbio entre culturas.
  
OBJETIVOS

  • Levar os jovens atendidos pelo projeto social “Eu sou” ao exercício de um novo olhar sobre seus espaços de vida, promovendo a amplitude desses olhares pela multiplicidade de ângulos reunidos num trabalho comum.
  • Oferecer oportunidade a variados segmentos da população, de olharem a comunidade sobre outros ângulos, novas perspectivas.
  • Auxiliar no rompimento do “muro” social que se estabelece entre a sociedade constituída e as favelas, utilizando a curiosidade que é instigada pela tentação de “olhar através de um buraco”.

DESCRIÇÃO

Construído a partir de blocos feitos de placas “foam” preto, “o muro” guarda no seu interior, os olhares desses jovens sobre o lugar aonde moram.

Cada bloco pode ser assim descrito:
1- Numa das faces externas de cada bloco há uma imagem fotográfica ampliada e colada, do olho de cada participante.
No centro desse olho, há um pequeno orifício no lugar da íris para que, através dele, os espectadores possam enxergar a imagem da favela registrada pelo olhar daquele jovem.
2-  Ainda na parte externa (face contrária ao olho), são instalados em três blocos 3 “Cd players” que apresentam  continuamente o making off do processo de produção das fotos.
3- Na parte interna de cada bloco, há uma foto que foi tirada por cada participante, iluminada por “back light”.

Medidas:
Medida total do muro: 2.10 x 6.00 x 0.50m 
Cada bloco: 0,50 x 0,50 x 0,30m
Numero total de blocos: 84  


 Coordenador e idealizador do projeto, escultor e arte-educador Helio Rodrigues, durante a primeira montagem do MURO: