“O MURO”

“O Muro” é uma instalação interativa idealizada pela equipe do projeto “Eu sou” a partir de fotos realizadas por 80 crianças e adolescentes moradores do Jacarezinho, favela localizada no subúrbio do Rio de Janeiro.

Esse projeto é resultante da revisão de uma estética até então aprisionada por critérios de beleza e qualidade sempre distantes desses jovens. Na verdade, são critérios localizados do outro lado do “muro social” que divide a cidade.

Nosso objetivo com a apresentação desse trabalho vai além da confirmação dos fortes resultados trazidos pela arte-educação para a sociedade.

“O Muro” pretende fundir o olhar do espectador ao olhar da criança e, no mínimo, dar oportunidade a qualquer contemplador de enxergar através dos olhos de quem mora numa comunidade.

A prática de novos olhares promove a ampliação de opiniões, reduz preconceitos, aceita a diversidade; “muros” podem mesmo ser desconstruídos, para que se promova o livre intercâmbio entre culturas.

Páginas

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

"O MURO"- última exposição no Rio de Janeiro - Imperdível!


ESPECIAIS AGRADECIMENTOS À FARMOQUÍMICA NOSSA PARCEIRA NO PROJETO "EU SOU" E NAS EXPOSIÇÕES DO "MURO"


"O MURO" ESTARÁ EM EXPOSIÇÃO NO AUDITÓRIO DA EAV - ESCOLA DE ARTES VISUAIS NO AUDITÓRIO DO PARQUE LAGE DE 11 A 27 DE JANEIRO DE 2013. INAUGURAÇÃO DIA 11 DE 19:00 ÀS 23:00H.

PALESTRA EM FRENTE AO "MURO" -

"ESTÉTICAS APRISIONADAS" com HELIO RODRIGUESDIAS:
11 DE 20:00 ÀS 20:30H
23 DE 19:30 ÀS 20:00H

Até se constituir uma instalação, “O Muro” foi sendo desenvolvido em função de muitas ocorrências à partir da ampliação do universo estético das crianças e jovens participantes do projeto “Eu sou” .
Acreditamos que o contato com a arte deflagrou um olhar crítico nesses alunos. A verdade é que eles se tornaram bem mais severos com a estética existente em sua comunidade. Se por um lado, nós da equipe do projeto vemos nesse novo olhar um crescimento, por outro, tornou-se preocupante pensar essas crianças inseridas num movimento desvalorizador de suas origens. Isso só poderia resultar num processo de autodesvalorização.
A solução para isso estava na própria arte com seus recursos reavaliadores do olhar. 
Depois de uma série de propostas artísticas criados especialmente para essa reavaliação, iniciamos, junto aos nossos alunos, várias incursões pela favela. Munidos de máquinas fotográficas e olhares sensibilizados pela arte, nossas crianças e jovens realizaram importantes registros de seus espaços de origem.
Foram muitas e surpreendentes fotos de excelente qualidade artística e que não podiam ser  mostradas num simples painel expositor. Queríamos uma maior proximidade dos espectadores com esses olhos e olhares. Surgiu então a ideia de um grande muro divisor construído pelos 80 olhos desses jovens. O encontro da iris do  espectador com a iris de cada um desses jovens permite que se veja o quanto a sensibilidade e a arte impregnaram esses olhares..

Nenhum comentário:

Postar um comentário